sábado, 14 de maio de 2011

Sapão e Ruizinho


          Na cidade de Jaboticabal interior de São Paulo, moram Sapão e Ruizinho, dois amigos inseparáveis. Sapão ostenta o apelido porque gosta de pegar sapos com a mão. Contam atualmente com dez e onze anos repectivamente. Cresceram praticamente juntos, estudam na mesma escola, estão na mesma classe, e sentam-se lado a lado. Suas notas são boas e pode-se dizer que são aplicadíssimos nos estudos. Uma amizade invejável.
         Na pequena cidade interiorana, afora os jogos de bola, a roda de piões, pipas, bolinhas de gude, capturas de passarinhos com arapuca e devorar frutas nas árvores, não há outras atrações que possam entreter os garotos, a não ser o cinema.
         O Cine Politeama é a principal sala de espetáculos da cidade, convém ressaltar que há outro, o Cine Jóia, este bem modesto e acanhado, portanto, o primeiro congrega em maior número os apreciadores da sétima arte. Pela tela panorâmica do Politeama, desfilaram épicos como Sansão e Dalila com Victor Mature e Hedy Lamarr, Os Dez Mandamentos de Cecil B. De Mille, Vinte Mil Léguas Submarinas com Kirk Douglas, Ben Hur estrelado por Charlton Heston, e o maravilhoso nacional Floradas na Serra com Cacilda Becker e Jardel Filho, além de outras fitas de semelhante magnitude.
         Aos domingos à tarde, o Politeama apresenta a tradicional matinê, dedicada especialmente às crianças, alguns pais também acompanham os filhos. É composta por uma fita de longa duração, normalmente um bang-bang, e a seguir um seriado que continua sempre no domingo seguinte, tais como - O Fantasma da Selva, A Ilha do Tesouro, Hopalong Cassidy, atualmente está sendo exibida a série do Durango Kid. O seriado é a principal atração da matinê, mas atração mesmo são os comentários da molecada na semana seguinte:
         - Será que o mocinho vai conseguir se salvar?
         - Não sei, a carruagem caiu da montanha com ele dentro.
         - E a cara do bandidão, você viu?
         - Você viu a cicatriz que o bandidão tinha na cara?
         - Claro, a cicatriz ia de debaixo do olho até a boca.
         - Acho que quando ele comia a comida saia pelo buraco da cicatriz.
         - O mocinho precisa se salvar pra matar o bandidão!
         A bomboniére do Politeama é bem sortida de algodão doce, pipoca, chicletes de bola Ping-Pong, chocolates, balas, amendoim torrado já descascado, e outras tentações. Sapão e Ruizinho preferem amendoim torrado. Os dois gostam de assistir à matinê no segundo andar do Politeama, conhecido pelo cognome de Poleiro.
         - Sapão, o poleiro é bom demais, não fica ninguém na nossa frente.
         - Será que hoje o mocinho mata o bandidão?
         Os pestinhas ficando no poleiro, pretendem mesmo é atirar amendoins embaixo na platéia, assim que a sessão iniciar e as cortinas forem fechadas, o que causa grande irritação no público infantil, e principalmente, no adulto:
         - Vai jogá amendoim na mãe seu filho da ....!!!
         Nessas ocasiões sempre é solicitada a presença do Pai da Moça, apelido do carroceiro Tião, um grandalhão quatro por quatro de impor respeito que atua também como lanterninha no Politeama.
         - Seu Pai da Moça - choraminga a menininha - tão jogando amendoim na gente lá de cima.
         Num tiro o Pai da Moça já está no poleiro, como autoridade constituída chega rosnando alto e bom som:
         - Se eu pego o safado que tá jogando amendoim lá pra baixo ponho pra fora a pescoção, e tem outra, não entra mais no cinema!
         - Viu Ruizinho, falei pra você pará com isso, quase que a gente leva um safanão!
         - Eu né! Pensa que eu também não vi você jogando é!


38 comentários:

  1. Olá, Miguel!
    Um texto com muita sensibilidade! Hoje as crianças nem vão mais ao cinema. Os pais compram os DVDs e eles vêem tudo em casa, no conforto do lar, e já nem sabem o que é ir assistir a uma sessão no cinema, nem conhecem mais o encanto que isso constituía para nós! Nem já se interessam pelos mesmos filmes. Os tempos ditos modernos fazem desaparecer tanto do encanto e da magia de outrora!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Que texto maravilhoso Miguel!.. Adorei!
    Beijocas super em seu coração e um lindo fim de semana para vc!

    Verinha

    ResponderExcluir
  3. Me fez voltar à velhas paragens Miguelito, confesso. Ainda curto muito um cinema, mas como disse Isabel, duvido que as crianças da atualidade curtam. Cinema parece coisa de adultos e solitários, como disse um sobrinho na idade dos amigos Sapão e Ruizinho. Pode?

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. ah, Miguel que belo texto fazendo referência a tão bons momentos da sétima arte!!
    nesses tempos de tudo muito computadorizado e vampirizado, ir ao cinema já não tras tão bons exemplos às crianças, como no passado!

    vc me fez lembrar qdo era criança e fui ao cinema com a escola assistir um dos filmes que adoro até os dias de hj, A Vida é Bela (La vita è bella) de Begnini... um dos meus preferidos e que nem sei quantas vezes mais o assisti depois daquela época!

    Bom final de semana, Miguel!
    grande beijo!

    ResponderExcluir
  5. Ah Miguel, assim não vale! Me deixou toda saudade. Menino, este seu texto mexeu profundamente com minhas lembranças.
    Eu gosto deste jeito de contar histórias. Vc leva a gente até o final fácil, fácil! rs....
    Beijo queridão.

    ResponderExcluir
  6. oi meu querido so passei para deixar um bjo desejar um óptimo final de semana, saude paz muito amor e dinheiro no bolso

    ResponderExcluir
  7. Belo filme o teu. Retalho de vidas. Gosto de conhecer o teu mundo assim:)

    ResponderExcluir
  8. Olá, Miguel! Eu lembro de um tempo como esse. Um tempo em que ir ao cinema era uma festa. Bons tempos! Hoje em dia, tudo é streaming.

    ResponderExcluir
  9. Um tantinho de nostalgia; um 'tantão' de sensibilidade. E tem novidade no IP. Participe! =)

    ResponderExcluir
  10. Saudades da minha epoca de criança onde aos domingos íamos à matinée do cine paroquial. Hoje não temos cinema na cidade. Muitas crianças daqui nem sabem o que é isso. Até algum tempo atrás tinha aq um projeto cultural "cinema na praça". As famílias se reuniam determinads noites para assistir algum filme nacional que marcou época. Faztempo q nem isso tem mais. Ficamos com a Tv e os DVDs. Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Olá Miguel, concordo com o que a Loba falou que o seu jeito de contar história leva agente até o final. Meu caro, o texto me fez voltar no tempo. Tempo em que nós freqüentávamos ao hoje extinto cinema São Luiz, no centro de Maceió. Travessura dentro do cinema acho que todo mundo tem uma pra contar. Porém, um coisa me desagrada: a questão da violência dos filmes. É triste vê que a violência encanta e atrai o ser humano. Será que a banalização da violência começa daí? Claro que é uma questão complexa, mas cabe uma reflexão. Um abraço forte!!!

    ResponderExcluir
  12. Eita, decerto as duas últimas frases da crônica foram sussurradas, pois se o "Pai da Moça" escutasse isso... Se escutasse, com certeza o filme não seria mais a atração principal daquela sessão!
    Crianças... Não é a toa que essa época da vida é a que mais traz lembranças nas pessoas.

    Até!

    ResponderExcluir
  13. Miguel

    Voltei a infancia. rsss
    Ótimo artigo.

    Ainda me encontro doente, mas juro que não é grave. rsss

    Abraços

    ResponderExcluir
  14. Mas Tchê! Me fizesse sentir nos meus tempos de ia "glorioso", glória era o nome do cinema. hehehe
    Cara! Tempo bom aquele, tinha uns que trocavam "gibis" do zorro.

    Excelente amigo! Você é sempre o cara!
    Valeu pelas boas lembranças.
    Obrigado e boa semana.

    ResponderExcluir
  15. Lendo seu texto senti saudades, saudades que muitos não poderão sentir.Vc escreve de uma forma tão composta que faz a gente entrar dentro do seu próprio texto. Pena que hoje as criança não vão mais a matinê,os pais nunca podem levar, e a violência está invadindo os cinemas também. Só resta mesmo ver em casa. Mais a vida é isso tem que continuar. Obrigada amigo pelo belo texto adorei te ler. Um ótimo dia. Abraços!

    ResponderExcluir
  16. Nossa, voltei no tempo. Eu também ia às matinés.Adorava ver os três patetas na sessão da tarde, que era mais barata.Muito bons tempos.Realmente os meninos faziam zoeira e atrapalhavam, mas era o melhor momento da minha semana inteira, superado apenas pelo circo, quando passava algum pela cidade!

    ResponderExcluir
  17. Oi Miguel!

    Vim agradecer suas passagens pelo meu blog (Não este, mas o Uni ver sos)sempre tão gentil!

    Seu olhar é sensivel e suas palavras tornam seu blog aconchegante e raro,

    gostei daqui!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  18. Miguel ,
    também estive no cinema . Verdade . O texto está por demais convincente .

    Um beijo ,
    Maria

    ResponderExcluir
  19. Miguel

    Cinema é super bom. Apesar de as pessoas (muitas pessoas) hoje preferirem mais comprar DVDs e assistir no conforto de casa, não dá pra dispensar ainda um bom cinema.

    Tem sempre aquele clima legal e bacana que rola por lá, ainda mais quando se está em uma boa companhia e tem um bom filme pra ver né?

    Abração!

    ResponderExcluir
  20. Meu querido amigo Miguel
    Que texto delicioso! Toda essa descrição das brincadeiras das crianças nessa cidade de interior me fizeram lembrar o que se passava antigamente em Portugal. Hoje em dia já pouco se divertem com esses brinquedos, a não ser nas aldeias bem afastadas da cidade.
    É a modernidade :)
    Gostei também de ler sobre o cinema, os filmes, as guloseimas... tudo encantador.

    Fui ao seu blog dos selinhos, deixei comentário e fiz-me seguidora.

    Resta-me desejar uma semana feliz. Beijinhos

    ResponderExcluir
  21. Adorei sua visita Miguel!.. Obrigada de coração!.. e fiquei feliz por ter aceitado meu presentinho [:)]

    Beijoquinhas super em seu coração..
    Verinha

    ResponderExcluir
  22. Um bom texto sempre deixa a dúvida do quão fiel à verdade ele é [sorrio]. Sapão também responde por Miguel? °~´
    O texto é mais um dos meus preferidos. Admiro sua escrita, e disso não faço qualquer segredo. Este texto trouxe um pouco de sua cultura cinematográfica e talvez um pouco também de uma Jaboticabal que ficou no passado. Há aproximadamente cinco semanas eu assisti Ben Hur (Charlton Heston) com minha família. Meu filho queria ver. Ele e apaixonado por cinema, mas inda não consegue acompanhar todas as legendas. A cópia que aluguei não tinha dublagem, então algo fantástico aconteceu. Eu e Andréia lemos o filme inteiro para ele. E acredita que não vimos passar as mais de três horas de filme enquanto líamos? Não é incrível?
    Cara, adorei sua postagem. Aprendo muito quando venho aqui. Obrigado por sua generosa atenção ao meu conto de Armelau! Estarei compartilhando seus textos em minhas redes sociais. Quero que todos se divirtam como eu me diverti aqui. Abraço!

    ResponderExcluir
  23. Relendo meu comentário, e tenho mania de ler após o ter lançado, vejo que comi algumas letras. Não repare. [sorrio]

    ResponderExcluir
  24. Olá, Miguel!
    Adoro ler a vida contada dessa forma. Você relata os fatos e eu me sinto vejo a cena.
    Sabe, na cidadezinha onde nasci quando ainda tinha cinema meu pai não deixava a ente ir. Por aqui não tenho o hábito de ir ao cinema e acho que isso tem raízes no meu passado sem cinemas.
    Beijos, meu amigo!

    ResponderExcluir
  25. Miguel!!
    Como sempre você me surpreendendo com seus textos maravilhosos.
    Obrigada pelas visitas constantes.
    Beijos,
    Gisa.

    ResponderExcluir
  26. Oi, Amigo!

    Que recordações agradáveis teu texto me reportou!... Ah!...Só posso agradecer...

    Grande abraço, Miguel! Gosto de vê-lo em meu espaço!!!

    ResponderExcluir
  27. Oi Miguel,

    Lembranças da infância é tudo tão ingênuo e gostoso...

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  28. Vim conhecer teu blog e adorei.O texto é encantador.

    Voltarei outras vezes.

    Beijos

    ResponderExcluir
  29. Um texto tão bem escrito que me senti sentada com os meninos vendo as suas diabruras, lindo!
    Bjs

    ResponderExcluir
  30. Miguel, venho lhe avisar que Dona Afonsa abriu um restaurante e lhe convida para que vá experimentar o quiabo com músculo de vaca bem temperado, especialidade da casa. [sorrio] Abraço!

    ResponderExcluir
  31. Oi, Miguel!
    O seu comentário lá no meu post "rastros" me fez ver as coisas por outro ângulo, o masculino! Tenho muitos comentários de mulheres, e acabo esquecendo que vocês passam pelas mesmas coisas, pois a gente também deixa pegadas em vcs! Um beijão de boa noite!

    ResponderExcluir
  32. Descreveu muito em os bons tempos de cinema de verdade com até dois andares, se não três, todos lotados de gente esperando o filme começar e vivendo suas tramas com emoção.Há décadas não vou ao cinema...

    ResponderExcluir
  33. Filme é para ser visto em écran grande, rrss

    Saudações

    ResponderExcluir
  34. querido Miguel
    eu estou óptima, de verdade, as lutas sempre vêem porem logo depois são vencidas e se vão embora... e a gente continua de pé pela graça deste Deus Maravilhoso... bjs um óptimo final de semana

    como sempre muito obrigado por seu carinho e amizade...
    com carinho de sua amiga angolana

    ResponderExcluir
  35. Um texto muito bem articulado
    muito bem demasiado
    gostei mesmo, abrçs Miguel.

    ResponderExcluir
  36. Amigo querido passei pra deixar um beijo grande no seu coração e desejar um ótimo fim de semana.
    Parabéns pelo seu texto, merece ser lido e relido. Faz-me viajar em rumo a natureza. Isso é bom é refresca a vida.
    Quando uma pequena bolha de alegria aparecer no mar da sua consciência, retenha-a e procure aumentá-la. Continue soprando a bolha para que ela rompa as paredes que a limitam e se transforme em um mar de alegria. Um abraço meu amigo.

    ResponderExcluir
  37. Olá Miguel,
    Obrigada pela visita, e pelo elogio.
    Fico feliz que tenha gostado do blog!
    Seja sempre bem vindo!

    Me lembrei da minha infância no Cine Roxy, tempos atrás...rs.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  38. Oi Oi!
    Hoje tem dica literária lá no blog!
    Um abraço!

    ResponderExcluir